Notícias locais

26 de novembro de 2018

Banco Central mantém Selic em 6,5% em consonância com as incertezas políticas, avalia SincomércioBS


Segundo o Sindicato, a instituição ainda não tem condições de avaliar com precisão quais são os ditames da futura equipe econômica

O Banco Central (BC) manteve, mais uma vez, a Selic em 6,5%. A taxa está nesse patamar desde o fim do ciclo de quedas em março. Essa medida está em consonância com as incertezas eleitorais, que começam a ser dissipadas neste mês, avalia o Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista (SincomércioBS). De acordo com a Entidade, entretanto, ainda é tudo muito recente e o Banco Central não tem condições de avaliar com precisão quais são os ditames da futura equipe econômica. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), agora projetado, se elevou um pouco acima da casa dos 4%, por conta do aumento do preço de alimentos em junho e julho, e depois pela pressão cambial mais recente.

Para o Sindicato, não há indícios de fortes pressões adicionais no curto prazo e, por isso, não há necessidade de retomar o ciclo de alta de juros. No entanto, entende que o Banco Central não quer ousar demais diante das incertezas e reduzir a Selic abaixo dos atuais 6,5%.
Combinada com as expectativas de inflação (IPCA), a taxa de juros real deste ano pode fechar próxima ao patamar de 2% a 2,5%, relativamente baixa para padrões brasileiros, mas que não geram riscos à meta de inflação por enquanto.  Para o SincomércioBS, talvez o Banco Central possa tomar uma decisão mais ousada na última reunião desse ano se pelo menos duas coisas acontecerem: clareza do que será feito na política econômica; e se os indicadores de inflação voltarem a ceder entre outubro e novembro para que as projeções para 2018 e 2019 fiquem mais perto de 4% do que de 4,5%.
Diante do fraco desempenho econômico e ainda de incertezas no quadro político/econômico para 2019, a Entidade acredita ser correta a postura cautelosa da autoridade monetária. Recentemente, o câmbio estava pressionado acima dos R$ 4,00, e mesmo com a definição do novo presidente, que trouxe o dólar para o patamar de R$ 3,70, não há certeza de que isso permanecerá estático enquanto não houver mais detalhes do projeto básico para 2019 em diante.

o SincomércioBS, que sempre apoiou todo o processo de redução de juros, espera que o País termine de fazer seu ajuste fiscal o mais rápido possível, permitindo não só a queda mais acentuada da taxa, como também impedindo que em 2019 o Brasil tenha que passar por outro ciclo de alta da Selic. Novos movimentos para baixo só virão se o novo governo estiver realmente comprometido com as reformas estruturais que o país precisa para atingir um nível de maturidade econômica que torne o Brasil um porto realmente seguro e atrativo para investimentos. Caso contrário, pode haver decepção, dólar alto, inflação maior e o Banco Central sem muitas opções que não elevar as taxas de juros no ano que vem.

 

Voltar para Notícias