Notícias locais

8 de abril de 2019

Com orçamento de até R$100, ovo de chocolate lidera a intenção de compra dos consumidores na Baixada Santista


Dados são da pesquisa de expectativa realizada pelo SincomércioBS nos nove municípios locais

Em 2019, os presentes de Páscoa não devem ultrapassar o total de R$100 para os moradores de Santos e região. Essa é a opinião de 64% dos entrevistados que responderam a pesquisa de expectativa do Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista (SincomércioBS). Além disso, o levantamento revela o produto mais procurado no período. O clássico ovo de chocolate ao leite permanece na lista de favoritos, angariando a atenção de 70%, mas itens de menor custo, como caixas de bombons (48%) e barras de chocolate (37%), também ganham destaque.

Quem pretende desembolsar entre R$100 e R$200 representa 30%, enquanto 6% escolherão aquisições na faixa dos R$200 a R$300. As opções “R$300 a R$400” e “acima de R$400” não receberam nenhum voto (0%). Buscando alternativas dentro dos preços acessíveis, o consumidor valoriza, ainda, ovos de chocolate branco (17%), chocolate artesanal (15%) e colomba pascoal (5%).

Os principais aspectos que fazem a diferença na hora da compra são as promoções (73%) e o bom atendimento (70%). Em seguida, classificam-se vitrines bem arrumadas ou chamativas, com 28%, e um produto diferente ou novo no mercado, com 20%. Propagandas no rádio, TV ou jornais atraem apenas 5%.

Quando se trata da forma de pagamento, a grande parte (62%) irá utilizar dinheiro. O cartão de débito soma 25% e o de crédito, 13%.

Nas questões relacionadas aos produtos e o tipo de ação idealizada pelas lojas para cativar quem compra, era possível selecionar mais de uma resposta.

COMERCIANTES PREVÊM AUMENTO NAS VENDAS

Para 58% dos lojistas regionais, a época de Páscoa proporcionará alta no faturamento em relação ao mesmo período do ano passado. Entre estes, 47% estimam crescimento de 5% a 10%. Igualmente divididos (22%), estão os que aguardam o acréscimo nas faixas “até 5%” e “10% a 15%”. A alternativa “acima de 15%” pontuou somente 9%.

Ainda moderadamente otimistas, 29% dos empresários argumentam que a data manterá um nível de vendas semelhante a 2018. Já na opinião de 13%, o comércio terá queda em rendimento. A principal resposta envolvendo o motivo desse declínio é a crise econômica (58%), mas fatores como desinteresse dos consumidores pela celebração, menos produção na indústria e valores altos de revenda também são mencionados (14% cada).

As principais práticas para atrair os clientes são decoração especial da vitrine (72%), disponibilização de novos produtos (61%) e liquidações (52%). Os gestores incluem na lista de ações: divulgação nas mídias digitais (39%), treinamento de funcionários (15%) e propaganda em TV, rádio e jornais (13%). Por fim, foram mencionados, por 2% cada, a realização de sorteios e a entrega de lembrancinhas. Nessa questão, era possível escolher mais de um item.

CONTRATAÇÕES TEMPORÁRIAS

Enquanto 73% dos empreendedores não planejam contratar ajuda extra, 27% se mostram interessados em novos colaboradores durante a fase de grande demanda. O número de funcionários temporários varia, principalmente, entre 1 (66%), 2 (20%). Dividindo o terceiro lugar na colocação, estão os que desejam 3 pessoas e 5 ou mais (7%). Sem nenhuma adesão, “4” arrecadou 0%.

O levantamento foi realizado entre os dias 19 de março e 8 abril de 2019, com 150 entrevistados (consumidores da região e empresas do segmento, nas nove cidades da Baixada Santista). A pesquisa tem caráter quantitativo, pelo método de amostra aleatória simples e estratificada.

Voltar para Notícias