Notícias locais

10 de dezembro de 2019

Gestão correta da água pode reduzir a conta da sua empresa


Embora cada caso seja avaliado individualmente, a economia na quantidade de água usada pode superar 50%

Uma gestão eficiente de recursos é benéfica para todas as empresas, seja ela para evitar desperdícios de insumos do dia a dia, ou até mesmo no controle e aproveitamento da água de chuva. Essa alternativa consiste em trocar o uso da água tratada pela pluvial ou de reúso em tarefas rotineiras como dar descargas, irrigar plantas e jardins, lavar pisos, calçadas, garagens, carros, etc.

O Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista (SincomércioBS) afirma que a adoção dessa medida sustentável impacta principalmente as empresas consumidoras de alto volume de água como lavanderias, supermercados, salões de cabeleireiros, bares e restaurantes, por exemplo.

Embora cada caso seja avaliado individualmente, a economia na quantidade de água usada pode superar 50%, conforme aponta o especialista em Recursos Hídricos, Plínio Tomaz. “A economia de água no novo prédio da Associação Comercial de Guarulhos foi de 57% e vale destacar que esse tipo de projeto de conservação de água pode ser feito tanto em postos de gasolina, quanto em lavas-rápido e supermercados”, diz.

Segundo o diretor técnico do Centro Internacional de Referência em Reuso de Água da Universidade de São Paulo (CIRRA-USP), José Carlos Mierzwa, é possível economizar 900 litros de água por empregado por mês apenas na descarga de vasos sanitários e 8 litros / m2 no mesmo período para lavar calçadas/garagens (considerando a frequência de lavagem de uma vez por semana). A água de reúso ou pluvial não pode ser usada para consumo próprio.

Além desse tipo de benefício, a coordenadora técnica do Comitê de Meio Ambiente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), Lilian Sarrouf, ressalta que a ação pode ser aplicada em obras de qualquer porte e em prédios novos ou já existentes. “Primeiro é preciso fazer um diagnóstico e identificar quais as soluções que podem viabilizar técnica e economicamente”, explica.


Voltar para Notícias